CONDENADO INOCENTE

WAGNO

Wagno era segurança de uma boate quando um motorista de táxi da cidade foi esfaqueado até a morte, depois do roubo de um toca-fitas. Um menor, co-autor do crime, ameaçado por dois homens que Wagno havia expulsado da boate onde trabalhava, o acusou de ser o responsável pelo crime. Wagno foi torturado para que se confessasse culpado, tendo perdido inclusive seus dentes, e acabou condenado a 23 anos de prisão. Durante os oito anos em que ficou preso, Wagno enfrentou muita violência e tentou o suicídio por duas vezes, até que sua família, embora humilde, conseguiu com o apoio da Secretaria Nacional dos Direitos Humanos um advogado que provou sua inocência e obteve a sua libertação.